sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

CAMINHOS CRUZADOS!

Ela tinha saído para ir trabalhar, pegara no automóvel como fazia todas as manhãs, dava um beijo nos filhos e outro no marido, nas manhãs em que ele estava em casa - por acaso nessa manhã não estava, pois era o dia de serviço no hospital - e seguia para um percurso habitual, que ela conhecia bem. O tempo estava bom, o amanhecer chegou de mansinho com o Sol a mostrar-se no horizonte.

Mas algo correu mal nessa manhã ensolarada. Aquilo que geralmente se pensa acontecer só aos outros aconteceu a ela: um fugir de estrada, um despiste, um acidente... ambulâncias, sirenes... ela chegou ao hospital quase sem saber que lá tinha chegado... as portas abriam-se de par em par e a maca serpenteava pelos corredores do hospital em direcção à sala de operações... os segundos podiam valer-lhe a Vida!

Ele passara a noite fora, estava de serviço, de tantos em tantos dias calhava-lhe 24 horas seguidas de banco. A noite tinha sido exaustiva, com muitos acidentes graves, muitos estropiados, muito sangue, muitos membros fora do sítio... que ele tivera que tentar colocar no sítio certo como cirurgião que era... havia noites complicadas mas ele não se lembrava de nenhuma tão complicada como aquela!

Ao amanhecer, respirou um bocadinho, eram quase 8 da manhã, sairia de serviço para dar lugar a outro colega. Àquela hora também já não era previsível algum acidente de monta. Já retirava as luvas quando ouviu uma grande gritaria... quase que se livrava de mais uma operação de urgência, mas a sua hora de saída ainda não chegara, mesmo cansado teve que voltar a equipar-se rapidamente... ao perguntar o que acontecera quando uma maca entrou de rompante na sala de operações os paramédicos gritaram: «uma mulher que se despistou e teve um acidente muito grave...»

7 comentários:

mulher disse...

A vida prega-nos partidas assim.Faz me lembrar umas férias na praia em que numa onda maior apareceu aos pes do pai dos meus filhos um miudo enrolado na areia trazido pela onda e que ele salvou.Só vimos a seguir que era um dos nossos filhos.Passou se num segundo.

Carminda Pinho disse...

Alexandre,
Quantos caminhos se cruzam assim por esse mundo...
Será acaso, coincidência ou destino? Acho que ninca saberemos.
Parabéns por mais este blog.
Obrigada pelos email que me tens enviado, és um dos amigos que me tem feito sorrir nestes últimos dias...
Beijos

Bichodeconta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bichodeconta disse...

História forte, cheia de emoção e que nos leva até aos indesvendáveis caminhos do destino..Mas se na vida real eles se haviam cruzado, e nessa altura má da vida ainda se voltam a cruzar, é sinal de que ambos estavam no caminho certo quando se conheceram e amaram.. Esse desvio (acidente) veio talvez reforçar tudo o que os unia..A quem nos salva a vida DEVEMOS TUDO,e nesse caso o amor saiu naturalmente reforçado numa dádiva de amor eterno.. Bonita história Alexandre, parabéns, é sempre bom chegar aqui e ler-te.. Hoje o dia está chuvoso,dia que convida a uma lareira, um tapete fofinho com almofadas,um livro, uma boa companhia, quiçá uma chávena de chocolate bem quentinho ... esperemos nós que não traga o mote a mais uma história.. A mãe já está melhor ? Beijinho aos dois e bom final de semana..

lia disse...

Alexandre,
mais uma vez ,Parabéns pelos blogs!
A vida tem destas coisas!
Bjs

Filoxera disse...

Agora nadas numa de histórias em suspenso... fazes bem.
Espero que não deixes na gaveta aquelas de que falámos.
Beijos.

Maria, Simplesmente disse...

Conheço uma história muito parecida com esta, veridica, pavorosa!...
Se a contasse podia chocar alguém meu conhecido e amigo, não atrevendo portanto a fazê-lo.
Na vida há momentos que ultrapassam tudo o que podemos imaginar!...
Maria