domingo, 3 de fevereiro de 2008

A AVÓ AMÉLIA DEIXOU UM VERSO A MEIO...

A minha avó Amélia faz anos hoje. 93 anos! É uma senhora adorável e bonita, com uns cabelos ondulados que caem sobre as costas em canudos. É uma exímia contadora de histórias e tem um sentido de humor genuíno.

Foi dela e da minha outra avó que fui abençoado com a dádiva da escrita. Mas, perto delas sou um aprendiz: a minha avó Arcângela desenhava cada letra das cartas que enviava à minha mãe como se estivesse a coser um lençol de linho com fio de ouro.

Já a minha avó Amélia é especialista em rimar. São dezenas os cadernos A4 que ela já encheu de versos. Nesses versos fala de tudo, da sua vida, da vida dos filhos, dos netos, dos bisnetos, dos vizinhos, dos políticos, dos países e do mundo... E aproveita cada cantinho de cada folha de cada caderno para acrescentar sempre mais um verso. No fim de cada quadra escreve um «sim» ou um «não», conforme a satisfação com que fica da criação. Felizmente os «sins» são muito mais frequentes. Desde sempre tive a promessa de ser eu a receber esta herança. Aliás, é a única herança que quero receber. Mas já lhe disse que não a quero agora nem nos próximos tempos, só daqui a 100 anos.

Por coincidência, faz hoje 5 anos que a minha avó Amélia decidiu encetar uma viagem. Avisei-a que não era muito aconselhável, que está perigoso viajar por causa dos bombistas e dos atentados, que ela já não era a jovem que foi, esses conselhos assim! Ela não me deu ouvidos e partiu mesmo... Interrompendo o verso mais bonito que alguma vez escreveu! Mas eu sei que ela voltará... Um dia destes! Nem que seja para acabar a frase escrita que deixou a meio...

5 comentários:

Bichodeconta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bichodeconta disse...

Parabéns Alexandre.Das avós herdaste o dom da palavra, dos antepassados herdámos tudo o que somos.. Parabéns também por essas duas mulheres que marcaram a tua vida.. A avó Amélia deixou um verso a meio exactamente para que fosses tu a terminá-lo..Missão espinhosa.. Penso que no meu caso, herdei do avo materno o amor á arte no geral e ás letras em particular... Avo Gregório, que na altura era professor , pintava maravilhosamente..Já falei um dia da avó Joaquina, sua esposa e que se fosse viva teria cerca de 125 ANOS, SABIA LER E ESCREVER, O QUE PARA A ÉPOCA ERA MUITO Á FRENTE.. Fiquei sensibilizada com esta homenagem ás tuas avós, e no silencio de ti, certamente , elas virão por vezes trazer um pouco da sua (delas) sabedoria..A vida é feita de pequenos nadas , de retalhos, como se de uma manta artesanal se tratasse. Depois, cabe a cada um de nós armonizar as cores com que quer e pode pintar a existencia... Boa semana...

3 de Fevereiro de 2008 17:52

M. disse...

Oh surpresa, este teu espaço é deveras agradável. É sonhador. Desconhecia-te essa faceta. Não será por acaso que descendes dessa belíssima figura em que cada ruga soma mais sabedoria e uma história de vida por contar.

Beijinhos

Teresa David disse...

Sempre achei que envelhecer não será um problema para ninguém quando se mantêm a jovialidade do olhar da tua avó e a firmeza mental para continuar activa cerebralmente até á morte.
Não tive a sorte de conhecer avós por ser filha seródia, mas agradou-me bastante este teu relato familiar, aliás, este teu novo blog é muito muito agradável de ler. Parabéns
TD

Blue Velvet disse...

Um abraço pelos 5 anos.
Sei que precisas.
E gostei muito da forma como separaste os 2 tempos da história.
beijinhos